h1

A misteriosa sexualidade feminina

junho, 12 - 2008

Recebi uma reportagem do NY Times esta manhã, cortesia da minha amiga Giseli, que, como pesquisadora na área de sexualidade e psicofisiologia – e não apenas como pesquisadora, – eu A-DO-REI!!

Sabe aquelas neuras que passam pela sua cabeça e a levam a perguntar: “Caramba, será que isso só acontece comigo? Sou tão diferente das outras?”. A resposta é: não. Debaixo do véu das normas culturais, parece que não somos tão diferentes assim.

Curti bastante o trabalho da Dra. Chivers. Quem sabe, desmistificando a intrincada sexualidade feminina, não podemos ajudar as mulheres a entenderem a si mesmas e umas às outras?

Depois dessa reportagem me sinto mais segura para dar aquela piscada 😉

Segue um trecho:

“O que excita as mulheres? Não, não é um homem nu”

“Mulheres! Vejam o esplendor da forma nua masculina: esbelta e poderosa, um milagre de músculos esculpidos, caminhando confiante pela areia ou alongando-se na sua frente em sua glória deslumbrante.

Pensando bem, talvez vocês prefiram outra coisa. Assim dizem os cientistas nas fronteiras da pesquisa em torno da eterna questão do que as mulheres acham erótico. A mais recente resposta parece ser: homens nus não ou ao menos não simplesmente homens nus.

“Para as mulheres heterossexuais, olhar para um homem nu caminhando na praia é tão excitante quanto ver uma paisagem”, diz a pesquisadora Meredith Chivers em um novo documentário sobre bissexualidade chamado “Bi the Way”, apresentado no festival de cinema de Nova York NewFest, no dia 6 de junho.
Chivers, pesquisadora do Centro de Vício e Saúde Mental da Universidade de Toronto, diz que tem dados para corroborar sua afirmativa. Recentemente, ela publicou resultados de um estudo no qual ela mostrava vídeos de homens e mulheres nus em várias situações sexuais e não sexuais e media a excitação genital de quem assistia as cenas.

As mulheres heterossexuais não ficavam mais excitadas por homens atléticos nus fazendo ioga ou jogando pedras no oceano do que ficavam com as cenas controle: imagens dos Himalaias cobertos de neve. Quando as mulheres heterossexuais viam um vídeo de uma mulher nua fazendo ginástica, por outro lado, seu fluxo sanguíneo aumentava significativamente.

O que realmente importa para as mulheres, ao menos no ambiente artificial do estudo em que a voluntária assistia a filmes ligada intimamente e a um aparelho chamado photoplethysmograph, não é o gênero do ator, mas seu grau de sensualidade, disse Chivers. Ainda mais do que pessoas nuas fazendo exercícios, elas ficavam excitadas com vídeos de masturbação e mais ainda por vídeos gráficos de casais fazendo amor. Mulheres com mulheres, homens com homens, homens com mulheres: não importava muito para as mulheres, disse Chivers.

“As mulheres parecem fisicamente não diferenciar entre os sexos em suas respostas sexuais, ao menos as mulheres heterossexuais”, disse ela. “Para as mulheres heterossexuais, o gênero não importa. Elas responderam ao nível de atividade”.

O trabalho de Chivers acrescenta a um corpo crescente de evidências científicas que coloca a sexualidade feminina em uma continuidade entre a heterossexualidade e a homossexualidade, em vez de um fenômeno excludente. “Ela está assinalando o que é meio óbvio e ainda assim não explorado: que as mulheres são fluidas em sua sexualidade”, disse uma das diretoras de “Bi the Way”, Josephine Decker, em uma festa após a apresentação do filme em um bar de temática russa.

Mesmo em uma cultura em que muitas vezes ser bissexual passa a ser chique – Britney e Madonna deixam o lugar para Lindsay Lohan e Samantha Ronson (fotografadas se beijando em Cannes, França)- e apesar dos dados da pesquisa mostrarem que os jovens, em particular, estão abertos à experimentação sexual, a bissexualidade ainda tende a ser tratada como novidade, como casualidade excitante, uma fase ou até uma forma de esconder a homossexualidade. A própria Chivers foi autora de um estudo de 2005 usando métodos similares que revelaram que os homens que se diziam bissexuais eram significativamente mais excitados por um único sexo, em geral o masculino.

As mulheres, contudo, são fundamentalmente diferentes, dizem alguns pesquisadores. Uma pesquisadora da Universidade de Utah, Dra. Lisa M. Diamond, publicou um estudo em janeiro na revista “Developmental Psychology” que acompanhava a vida amorosa de 79 mulheres não heterossexuais que se diziam lésbicas ou bissexuais ou nenhuma das opções anteriores. Ao longo de dez anos, as mulheres continuavam a ser atraídas por ambos os sexos, concluiu Diamond.

A resposta das mulheres às imagens dos casais se estende até para outras espécies, concluiu Chivers. Em um experimento de 2004 e novamente no estudo recente, publicado em dezembro de 2007 na revista “Journal of Personality and Social Psychology”, Chivers e seus colegas concluíram que as mulheres eram ligeira mas significativamente excitadas por centenas de chimpanzés bonobo cruzando. Os homens não mostraram a mesma resposta.

E quando Chivers pediu que as mulheres classificassem sua própria excitação diante dos vídeos que assistiam, as mulheres, homo ou heterossexuais, tendiam a dar maior classificação para filmes mostrando mulheres. “As mulheres heterossexuais reagem às mulheres, diferentemente do que se imaginaria”, disse Chivers. “Por que as mulheres são tão excitadas por outras mulheres?” Os homens, homo ou heterossexuais, assim como as lésbicas, foram mais previsivelmente excitados por imagens de seu sexo preferido, disse Chivers.

É difícil saber como entender essa informação. Chivers não faz alegações corajosas a respeito. “Concluir que as mulheres são bissexuais com base em sua resposta sexual seria negar a complexidade e as várias dimensões da sexualidade feminina”, escreveu em seu artigo. Ela admitiu, contudo, que a aparente flexibilidade das mulheres “esteja relacionada a um maior potencial de bissexualidade nas mulheres do que nos homens”.

Anúncios

7 comentários

  1. Será que é por isso que existe aquela frase velha atual: “as mulheres são complicadas”?
    De fato, os pesquisadores estão só vendo a ponta do iceberg da sexualidade…


  2. “as mulheres são fluidas em sua sexualidade”
    Gostei muito dessa frase.
    E essa fluidez é muuuito mais abrangente e escorregadia para pesquisadores formais do que se pode afirmar oficialmente. (tenho tentado escrever sobre isso…)

    Valeu, Cris e Gi pela reportagem. Também me sinto menos exótica depois de lê-la.

    beijinhos!


  3. Cristina,
    cadê o link pra reportagem??? Li uma reportagem ano passado no NYT da Natalie Angier (http://www.natalieangier.com/) sobre sexualidade em geral chamada Birds do it, bees do it…
    A Angier aliás tem um livro, Mulher – Uma Geografia Íntima, traduzido e publicado no Brasil há pouco. Está na minha lista de leituras futuras.


  4. Realmente, é a pura verdade.A excitação passa por caminhos bem diferentes do imaginado.O sentir,o ver difere de acordo com a situação.O davi de Michelangelo é a prova disso, é uma estatua lindissima,perfeita em todos os aspectos estruturais e fisicos,mas deixa a desejar, é bela,perfeita,mas muito pouco excitante.No entanto, a imagem de uma casal junto, em uma cena intima,ou simplesmente sensual pode elevar a “temperatura” e a resposta sexual. O bom é que os homens não podem ler nossos pensamentos durante o ato sexual.
    beijos.


  5. Reza a lenda que nunca é tarde demais para se pegar o bonde andando na discussão alheia. Assim sendo, aplicando um leve “Phoenix Down” no assunto:

    Achei curioso o estudo se desdobrar somente pelo aspecto visual da sexualidade. Embora seja reconhecidamente o mais explorado, sempre achei os outros estímulos sensoriais e a disposisão psicológica da pessoa mais importantes para a excitação.

    O tato e o olfato, em conjunto com as expectativas sempre tiveram um papel mais importante para mim que meramente a visão ou mesmo o imaginar delas nuas. E nem sempre o ato sexual em si (o coito) é tão excitante de se ver também. Nesse ponto a disposição também tem um papel bem importante.

    Mas pensando bem, eu nunca me considerei um exemplo padrão de ser humano do sexo masculino mesmo…

    … Ops, espera lá. O assunto são as mulheres. Ah, enfim, agora já foi. 😉


  6. Porque acontece o aumento do desejo sexual, quero dizer em alto nível (excessivo)?
    Porque afalta de sexo causa um estresse louco? – em caso de você sentir tanta nescessidade de fazer sexo .


  7. Nós mulheres somos um eterno mistério, principalmente para nós. Mas é fato que somos muito mais visuais e sensoriais que os homens, não apenas sexualmente, mas em tudo. Somos mais perceptivas, e isso abre um leque de possibilidades bem variado quanto aos nossos gostos, comportamento diante de situações diversas e até mesmo as nossas opções.

    É bom saber que não estamos sozinhas!

    um beijo ;*



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: