Archive for setembro \21\UTC 2009

h1

Ando tão distraída…

setembro, 21 - 2009

If I could tell you what it meant, there would be no point in dancing it.

Isadora Duncan

Às vezes nos apaixonamos perdidamente por certas coisas e pessoas. Aconteceu comigo. Mas a minha paixão é encontrada: andava tão precisada de algo novo na minha vida!

Não tenho lido muito. Escrito? Nada. Não que tenha me desapaixonado pela literatura, pelo contrário, penso que as artes se casam, inspiram-se mutuamente. Concorrem também, é verdade.

Produzo textos que devem sobreviver a mim. Mas a dança…? É toda feita da matéria do presente. É puro acontecimento: um lampejo. Fica uma foto, um vídeo, mas a dança mesmo, dançou-se. Tem essa qualidade de “aqui e agora” que nenhuma mídia consegue ou conseguirá reproduzir.

Ainda estou intrigada. Se me perdi, se me encontrei, só sei que estou adorando cada momento. Cheguei a pensar que não me sentiria desafiada por mais nada, e então vem essa esfinge: uma linguagem inteira, completamente nova, fora do meu domínio. Um desafio imenso, pois não me preparei. Veio, me encantou e mostrou uma saída de emergência por onde poderia tentar a minha fuga do sedentarismo.

Enquanto estou muito distraída dançando, deixo aqui um pouquinho das minhas musas pra distrair vocês também:

Pra quem não conhece, os estilos são tribal fusion e gothic fusion bellydance.

h1

Science Fiction in action

setembro, 11 - 2009

Momento digestivo do dia. Já comeu hoje?

Vi no blog do Warren Ellis, mas deu na Discovery:

Um raro parasita que se abriga dentro do peixe hospedeiro antes de comer sua língua e substituí-la por ele mesmo foi encontrado na costa de Jersey.

Olha que meigo o bichinho:

bicho

Na dúvida, coma de boca fechada.

h1

A estupidez e outras doenças incuráveis

setembro, 6 - 2009

A notícia correu a blogosfera ontem, e você pode conferir o resumo da tragédia no blog da Giulia Moon, da Martha Argel, do Bruno Cobbi, da Chris Sevla e em diversos sites de notícias como este e este.

Em síntese: Liz Marins e Kizzy Ysatis, dois colegas e artistas que admiro muito, foram espancados por seguranças na manhã de ontem na saída da balada A Loca. Liz ficou com hematomas. Kizzy teve que ser internado, ficou com o rosto desfigurado, perdeu dentes e teve traumatismo craniano – felizmente sem lesão cerebral.

Dizem que a briga começou por causa de uma comanda perdida, que Kizzy disse que pagou e o caixa insistiu que não.

Agora alguém me explique: como uma confusão por causa de comanda termina num espancamento brutal e uma pessoa gravemente ferida?

Como seguranças de uma balada, que deviam fazer a SEGURANÇA, terminam quase matando um cliente?

Kizzy já está bem, vai fazer exame de corpo de delito. Liz pretende processar A Loca.

Como eu disse, o Kizzy e a Liz são artistas admiráveis e pessoas do bem, não consigo sequer imaginá-los metidos em confusão. É inexplicável! Senão irônico, dois artistas da esfera do horror – um escritor e uma cineasta – assombrados por monstros reais, trogloditas noturnos incubidos da “segurança” das pessoas.

É de dar medo.

Manifesto aqui minha solidariedade à Liz e ao Kizzy e meu repúdio a esses animais que espancam primeiro e perguntam depois.

h1

Passou

setembro, 4 - 2009

Se há um consolo e uma angústia é que nada dura para sempre. Momentos bons. Momentos ruins…

Não, não cultivo clichês, é que o mosquito filosófico me mordeu hoje.

Lembro claramente de um momento da minha vida que aconteceu há dois anos e meio atrás. Estava pegando o vôo Santiago- São Paulo (minha última viagem aérea) e, sabe quando o avião está na pista, correndo para decolar, e você é pressionado contra a poltrona? Nesse momento vem o frio na barriga e a consciência de que você está se lançando ao acaso – está subindo e nada lhe impede de cair. Uma sensação de liberdade, mas também de entrega.

Eu era recém-formada, tinha acabado de fazer uma viagem de mochila de 40 dias pela América do Sul com algumas amigas. Pela primeira vez na vida eu havia me distanciado de casa e da minha família. Uma viagem de incríveis contrastes: praias e montanhas, baladas e desertos, amigos e solidão. Fui mudada profundamente. Agora estava voltando para casa, para minha vida, e pela primeira vez não fazia a menor ideia de que rumo daria a ela. Uma dúvida maravilhosa me surgiu ali, enquanto o avião levantava:

E agora?

Agora vem o resto da minha vida.

É mais ou menos assim que ando me sentindo. Mês retrasado vivi um pequeno inferno astral. Não era só a tese, eram outras coisas… essas que não são novidade nenhuma, mas pelas quais às vezes cismamos de nos cegar. Nosso perpétuo ciclo de altos e baixos.

Passou.

A tese, ainda não a entreguei. Está no finzinho, mas já volto a respirar. E pensar nos próximos planos, são tantos…

Outro dia ouvi falar na crise dos 25 e me identifiquei completamente: uma pessoa já formada, com alguma experiência de trabalho e também com frustrações, paralisada frente a uma encruzilhada de múltiplos planos e oportunidades, tão indecisa que não sabe onde vai enfiar o resto de sua vida.

Sou eu.

E o que vem agora?

O resto da minha vida.

Vou dançar, vou escrever, vou viajar… Vou por em dia as coisas que deixei de lado.

Peço desculpas a quem deixei esperando no processo. Agora sim, voltei.

h1

Imortais de araque

setembro, 3 - 2009

 Já ouviu falar naquele livro: “Brasil, o país do oportunismo“?

 A Academia Brasileira de Letras se compõe de 39 membros e 1 morto rotativo.

 Millôr Fernandes

sarney

José Sarney

Ex-presidente da república (1985-1990), atual presidente do Senado Federal

Eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1980 (atualmente, o seu membro mais antigo). Também é membro da Academia Maranhense de Letras, da Academia Brasiliense de Letras e da Academia das Ciências de Lisboa.

Livros publicados:

A Canção Inicial. Poesia. São Luís: Afluente, 1952.
Norte das Águas. Contos. São Paulo: Martins Editora, 1969. 2.ª ed. Com estudo de Josué Montello, Léo Gilson Ribeiro e Luci Teixeira. Rio de Janeiro: Artenova, 1980. 3.ª ed. Lisboa, Ed. Livros do Brasil, 1980. 4.ª ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1993. 5.ª ed. São Paulo: Ed. Siciliano, 2001. 6.ª ed. São Paulo: Ed. Siciliano, 2003.
Marimbondos de Fogo. Poesia. Rio de Janeiro: Artenova, 1978. 2.ª ed., Lisboa: Bertrand, 1986. 3.ª ed., Rio de Janeiro: Alhambra, 1987. 4.ª Ed. São Paulo: Siciliano, 2002.
10 Contos Escolhidos. Brasília: Editora Horizonte, 1985.
Brejal dos Guajas e Outras Histórias. Rio de Janeiro: Editora Alhambra, 1985.
O Dono do Mar. Romance. São Paulo: Siciliano, 1995. 2.ª a 11.ª edição. São Paulo: Ed. Siciliano, 1996 a 2005.
Sexta-feira, Folha. São Paulo: Siciliano, 1994.
A Onda Liberal na Hora da Verdade. São Paulo: Siciliano, 1999.
Saraminda. Romance. São Paulo: Siciliano, 2000. Edição fixada. São Paulo: Ed. Siciliano, 2005.
Saudades Mortas. Poesia. São Paulo: Editora ARX, 2002.
Canto de Página – Notas de um Brasileiro Atento.  São Paulo: Ed. ARX, 2002.
Crônicas do Brasil Contemporâneo. São Paulo: A Girafa, 2004. 2 vols.
Tempo de Pacotinha. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 2004. (Coleção Austregésilo de Athayde, v.20)

marco_maciel

Marco Maciel

Vice-presidente da república no mandato de Fernando Henrique Cardoso (1994-1998)

Eleito em 1991 para a Academia Pernambucana de Letras e em 2003 para a Academia Brasileira de Letras (ocupando a cadeira que foi de Roberto Marinho).

Livros (?) publicados:

Vocação e Compromisso.
Importância da Educação para a Realização Democrática
. Brasília: s.n., 1983. (Ação Parlamentar)
Participação do Congresso na Política Externa. Brasília: s.n., 1983.
Importância do Mar e Presença na Antártica. Brasília: s.n., 1983. (Ação Parlamentar)
Subsídios para uma Política Cultural. Brasília; s.n., 1983. (Ação Parlamentar)
Grupos de Pressão e Lobby: Importância de Sua Regulamentação. Brasília: s.n., 1984. (Ação Parlamentar)
Democracia Racial e Lei Afonso Arinos. Brasília: s.n. 1984. (Ação Parlamentar)
Trabalho e Sindicalismo. Brasília: s.n., 1984. (Ação Parlamentar)
Movimento Estudantil e Reforma Universitária. Brasília: Ministério da Educação, 1985.
Educação e Constituinte. Brasília: Ministério da Educação, 1985.
Educação e Liberalismo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1987.
Liberalismo e Justiça Social. Brasília: Senado Federal, 1987.
Idéias Liberais e Realidade Brasileira. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1989.
Missão da Universidade. Brasília: Senado Federal, 1990.
O Mar de 200 Milhas e o Desenvolvimento Nacional.
Nordeste: o Semi-Árido. Brasília: s.n. 1983. (Ação Parlamentar)
Um Conceito de Direito Internacional.
Letras & Política: posse na Academia Pernambucana de Letras. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1992.
Presidencialismo: Por que Mudar? Brasília: Senado Federal, 1993.
Democracia e Brasilidade. Brasília: s.n., 1995.
Pacto pela Educação. Brasília: s.n., 1996.
O Poder Legislativo e os Partidos Políticos do Brasil.
Pobreza e Desigualdade. Brasília: s.n., [2000?]
Avanço Digital e Hiato Social.
A Integração Racial no Brasil.
O Brasil e o Desafio da Globalização.
Brasil: século XXI. Discurso de retorno ao Senado Federal, proferido em 26.03.2003. Brasília: Senado Federal, 2003.
Bicentenário da Independência. Brasília: Senado Federal, 2004.
Reformas e Governabilidade. Brasília: Senado Federal, 2004.
Escreve artigos para jornais e revistas nacionais, especialmente sobre questões institucionais e relativas às reformas políticas.

IvoPitanguy05

Ivo Pitanguy

Cirurgião plástico

Eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1990.

Livros publicados: 

Mamaplastias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1976.
Plastische Eingriffe and der Ohrmuschel. Stuttgart: Springer Thieme Verlag, 1976.
Aesthetic Surgery of the Head and Body. Heidelberg: Springer Thieme Verlag, 1981. Premiado como o melhor livro científico do ano, na Feira Internacional do Livro de Frankfurt, 1981.
Plastic Operations of the Auricle. New York: Springer Thieme Verlag, 1982.
Les Chemins de la Beauté. Paris: Editions J.C. Lattés, 1983.
Paraty. São Paulo: Gráfica Editora Hamburg, 1983.
El Arte de la Belleza. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1984.
Le Vie della Belezza. Milão: Rizzoli Editore, 1984.
Direito à Beleza. Rio de Janeiro: Editora Record, 1984.
Angra dos Reis – Baía dos Reis Magos. São Paulo: Marprint Ind. Gráfica, 1986.
O Destino. Rio de Janeiro: Terceira Margem Editora, 1988.
Um Jeito de Ver o Rio. Texto de Ivo Pitanguy. Fotografias de Pedro Henrique. Projeto Gráfico de Ziraldo. Rio de Janeiro, 1991.
Atlas de Cirurgia Palpebral. Rio de Janeiro: Colina/Revinter, 1994.
Aprendendo com a Vida. São Paulo: Best Seller, 1993. Tradução italiana: Imparando con la vita. Milano, Mediamix, 1996.
Chirurgia Estetica – Estrategie Preoperatoria – Tecniche Chirurgiche. 2 vols. Torino: UTET, 1997.
Cirurgia Estetica – Estrategia Preoperatoria – Técnicas Quirurgicas – Cara y Cuerpo. Caracas: Actualidades Medico Odontológicas Latinoamerica, 1999.
Rhinoplasties. Em pareceria com Yves Saband e Frédéric Braccini. Nice, 2003.
Ivo Pitanguy. Organizado por Luiz Carlos Lisboa. Rio de Janeiro: Editora Rio, 2003. Coleção Gente.

200px-Fernando_Collor_sorrindo

Fernando Collor de Mello

Ex-presidente da república (1990-1992), atual presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado Federal

Acaba de ser eleito para a Academia Alagoana de Letras

Livros publicados: nenhum.

Vou dormir tranquila hoje, a literatura brasileira está em boas mãos.