h1

Australionauta, o relato – Parte 6

setembro, 28 - 2010

Não, nem tudo na Austrália funciona às mil maravilhas. Como por exemplo a internet. Ou como o ônibus desgraçado que peguei para viajar de Byron Bay a Sydney. Eita, viagem longa! Foram 12 horas noite adentro no busão cheio de baratas e sem bancos reclináveis. Um tédio. Um castigo. Sem conseguir dormir, queria ficar acordada. Sem conseguir ficar acordada, queria dormir. Revirava os olhos entre a consciência e o coma, e quando abria, via uma baratinha passeando no encosto do banco da frente… Argh!

A desvantagem é que depois duma viagem dessas você chega estragada. Sydney… Sydney é imensa, até mesmo para o padrão duma paulistana. Ainda tive que pegar taxi para o meu hostel que ficava perto da Harbour Bridge.

Sydney está entre as 10 cidades mais caras do mundo, e reluz a ouro. Meu hostel em Sydney foi o mais caro da viagem, só pelo luxo de ter vista para a ópera, mas valia a pena. Ali eu estava no The Rocks, um charmoso bairro antigo de Sydney, a um tropeço da Harbour Bridge, monstruosa, belíssima, e a poucos minutos de caminhada da Opera House, very impressive. Claro que a primeira coisa que eu fiz assim que larguei as malas e tomei um banho foi ir correndo me ajoelhar diante do monumento.

Ai a Opera, como é a Opera? Para falar de monumentos arquitetônico, vou usar uma comparação. Quando fui pra Brasília, olhei para o Palácio do Planalto e pensei: “é essa coisa mixuruca? Dava a impressão de ser tão maior!” Não é o tipo de impressão que se tem com a Opera House, que é realmente enorme e bela a cada ângulo que se olhe. De um lado da Opera tem-se um imenso jardim botânico que eu não tive muito tempo para explorar, apenas cumprimentei as cockatoos e fui embora. Do outro lado, há Circular Quay, com hotéis, lojas, restaurantes, bistrôs, ancoradouro de ferry boat e estação de trem. Muitas lojas de souvenir, e as mais caras, pra variar. Entrei numa loja atraída pelas lindíssimas máscaras do carnaval de Veneza, e, meio besta, perguntei à vendedora se elas tinham alguma coisa a ver coma a Austrália. A vendedora: tem a ver com a ópera!

Óbvio! Como não pensei nisso antes?

Levando-me do cartão postal até o centrão há a George Street, a avenida comercial mais quente de Sydney, com shoppings, galerias, bancos, pubs e todo o comércio que se pode imaginar. Tudo muito chique e moderno. E meio surrealista também: de repente você vê o monorail saindo de um prédio, andando suspenso pela rua e entrando em outro prédio, é bonitinho. O que me chamou muito a atenção foi a Apple Store, que em Sydney é uma “Apple Shopping”, gigante, com 3 andares, e sempre cheia. Não é de estranhar que o que eu mais via na mão dos australianos era iPhone.

Esqueci de dizer que meu hostel ficava bem acima de um sítio arqueológico. Pois é. Como se tratava do bairro mais antigo de Sydney, ali escavavam as relíquias da época da colonização da Austrália. Minhas companheiras de quarto também eram um diferencial. Partilhei a beliche com uma norte-americana que sabia tudo de literatura de ficção científica. Cada livro que eu citava ela já tinha lido, me senti tão feliz em achar alguém que me entendia! E a parte boa de se hospedar em hostel caro é que os turistas abandonam coisas muito boas na cozinha, às vezes eu fazia refeições inteiras com coisas pegas na free food shelf (estava escrito: “help yourself!”, e eu muito me ajudava).

A essa hora a síndrome de abstinência da internet começava a bater e eu pegava meu notebook e mergulhava no primeiro McDonalds. Comi fast food que nem uma doida. Supersize me, baby!

Mas não foram mais do que dois dias que fiquei aí, no coração de Sydney. Eu estava para embarcar numa viagem realmente nova.

Anos antes eu tive a ideia de tentar traçar a árvore genealógica da família Lasaitis com a ajuda da internet. No século XX os Lasaitis saíram da Lituânia e se espalharam pelo mundo. Fui encontrar ramos da família nos EUA e também na Austrália. O mais curioso: buscando no Google acadêmico, encontrei uma suposta prima australiana que fazia pesquisa biomédica, a Regina. Ainda naquela época escrevi a ela – do modo convencional, por cartinha – me apresentando e pedindo informações sobre eles, anexando fotos da família, e… Vendo fotos, concluímos que meu tio australiano e meu pai são parecidíssimos, fazendo as continhas, chegamos à teoria de que meu avô devia ser primo do avô da Reggie, o que nos fazia primas em sétimo grau (eu acho). Mantivemos a partir de então um contato, de vez em quando mandando cartões de Natal para o respectivo outro lado do mundo.

Agora eu estava na Austrália, e iria conhecer os Lasaitis australianos, e que eram muito mais lituanos da gema do que eu.

Num sábado de sol meu primo australiano Andrew veio me buscar no hostel e me levou para o subúrbio de Sydney, a um bairro fofo chamado Rhodes, onde conheci a matriarca da família, tia Júlia, e também conheci pessoalmente a Reggie. Logo eles me botaram no carro e embarcamos num passeio rumo às Blue Mountains, na região de Katoomba. Antes de ver as montanhas azuis, uma parada para conhecer mais primos. Agora eu estava num daqueles bairros tranquilíssimos, de uma cidadezinha ínfima, com casas de boneca e jardins abertos, sem cercas. Era a casa do Anthony, onde ele vive com a esposa e os dois filhos. Me receberam com vinhos e quitutes maravilhosos (meudeus, como cozinham!). Um lanche rápido, Regina e eu caímos na estrada e vamos para as Blue Mountains.

Blue Mountains é um parque nacional, com montanhas, trilhas e pontos de obsevação. O que se vê? Um monumento de pedra que os aborígenes chamam de Três Irmãs, e ao fundo um tapete de floresta que se perde no horizonte com as montanhas… tão longínquas que parecem azuis. Um silêncio, uma paz indizível…

Na volta Reggie me sugeriu tirar um dia para voltar a Katoomba e conhecer a cidade, coisa que fiz mais tarde. Katoomba é uma Campos do Jordão australiana, cidadezinha charmosa que parece embalsamada numa verve colonial, o que mais tem são lojas de antiguidades, sebos de livros muito velhos, cafés onde os velhos vão tomar café, adegas de vinhos, e mais lojas de antiguidades. Katoomba é um dos lugares na Austrália onde neva no inverno, e eu não ligaria nem um pouco de me hospedar num daqueles chalés durante alguns meses para escrever um livro e morrer de tédio. Seria um tédio com graça, um tédio bastante charmoso.

Na semana seguinte eu ficaria hospedada na casa da tia Júlia, no subúrbio de Sydney, à beira do mesmo rio que banha a Opera House, e teria a estranha e gostosa sensação de ter casa e uma família nova. Mas isso merece um capítulo à parte.

Próximo episódio: Lavando roupa e cozinhando em Sydney.

Anúncios

6 comentários

  1. Senti invejinha desse silêncio. Artigo tão raro em Sampa que a gente às vezes faz nosso próprio barulho só pra encobrir o barulho alheio e ter a sensação ilusória de controle.

    Muito fofo seu encontro com os Lasaitis australianos. Que emoção ter família assim, justo no país que você sempre quis visitar e… a Regina também é biomédica?! 😀

    Beijão.


    • Eu sou muito feliz por viver nos tempos da internet, me permitiu alguns milagres, rs!
      A Reggie é naturopata. Trabalhadora aquela mulher!
      Beijos


  2. Bem legal o relato de sua viagem e como sou curioso e chato… observou por acaso algum dançarino de shuffle? Carne de canguru- que tal é o gosto? Na foto da praça com o banco de madeira, o que é aquilo no tronco das arvores? A filhadaputagem com os nativos pode ser devido ao fato de a Londres vitoriana ser uma cidade muito povoada e era mais pratico mandar os criminosos ingleses pobres para as colonias do que construir caras prisões e dar comida duas vezes ao dia.Tem tambem uma corrida do ouro em 1850, que não costuma atrair gente disposta a ficar pobre….tai o retrato dos brancos que os nativos tiveram o azar de conhecer….


  3. ….Ah e dizem que as ostras do mar são afrodisiacas, não sei, não tive coragem de comer, parecem lesmas esmagadas. As de agua doce tem um aspecto melhor, mas nunca vi ninguem comer duas ostras. Eles param na primeira. Quando começou a colonizaçao da Australia os colonos levaram as tranqueiras da sociedade moderna e os nativos descobriram que pontas de flecha feitas de cacos de vidro de garrafas de cerveja e isoladores de porcelana dos postes de telegrafo eram tão bons quanto os de silex e aquele sitio arqueologico em Sydney pode ter exemplos bem curiosos das sobras de uma sociedade industrial sendo transformado por uma sociedade primitiva em objetos de uso diario.Vc por acaso tirou algumas fotos daquela escavação???


    • Oi Godoy, garoto enciclopédico.
      Carne de canguru é boa, carne de ostra, não. Não sei o que é shuffle. Filhadaputagem foi o que os portugueses fizeram aqui, mandando o desenvolvimento da colônia às favas e priorizando a exploração. A Austrália é o exemplo de um desenvolvimento que o Brasil poderia ter conquistado e até mesmo superado, mas que por razões históricas não fez.


  4. […] Australionauta, o relato – Parte 6 […]



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: