Archive for março \21\UTC 2018

h1

Trazendo Jorge Amado de volta

março, 21 - 2018

Quando eu era criança havia uma coleção completa de livros do Jorge Amado – vistosa, enorme, de capas vermelhas — enfeitando as estantes de casa.
Esta era uma casa de não-leitores (e isso me inclui), portanto a coleção passou décadas sentada na sala sem que nenhuma de suas milhares de páginas recebesse esse privilégio que os livros têm de serem, eventualmente, lidos.
Eram objetos decorativos. Até o dia em que a decoração mudou e eles foram encaminhados para o sebo — destino fatal da decoração de várias salas.
Roda o pião do tempo e aqui estou eu, caída num momento em que preciso conhecer o mundo de Jorge Amado e ler ler ler ler ler
Então, toco em direção ao sebo babando book-freakshlingly, com sacolas de livros para trocar, a fazer o resgate
Mais empoeirado
Mais manchado
Mais mofado
De uma parte daqueles livros —
Aqueles livros que enfeitaram as estantes por tantos anos sem que ninguém soubesse pra quê eles serviam.

jorgeamado

Anúncios
h1

Estarei no NERDCON 2018

março, 20 - 2018

865c1a293f0b

Pessoal, entre os dias 13/03/2018 e 25/03/2018 está rolando um evento superbacana em São Paulo – o Nerdcon, no Sesc Interlagos, com a presença de artistas, cosplayers, cursos e oficinas e também palestras e bate-papos sobre cultura pop, um monte de coisas, vejam a programação no site do Sesc.

E AÍ QUE

No dia 24/03, às 15:30, eu estarei lá para um bate-papo sobre fantasia e ficção científica no Brasil! E estão todos muitíssimo convidados.

O Sesc Interlagos é longe de quase tudo em São Paulo, e isso é desencorajador para uma boa parte do público – verdade.

Não sou uma escritora famosa – verdade.

Não tenho brindes a sortear — verdade.

Faz tempo que não lanço um livro — verdade.

E a quem me conceder a graça de sua presença, ofereço o meu papo, eventualmente podemos tomar café e ter um momento contemplativo à vista da represa Billings e encontrar o sentido da vida.

Ah, e o evento é gratuito!

Serão todos muito bem-vindos \o/

O endereço do Sesc Interlagos é:

Avenida Manuel Alves Soares, 1100 – Pq. Colonial, São Paulo (CEP: 04821-270)

Mais informações na página do evento no Facebook.

h1

Para todas as vozes de Marielle

março, 15 - 2018

Nesta vida, nesta guerra, eu tenho medo é de ter medo. De acatar as vontades de quem se esforça pra impedir minhas ações ou calar minhas palavras. Tenho medo de me acovardar, e assim incidir na minha própria sabotagem.

Não reproduzo a retórica do medo porque não tenho medo de canalhas – arrolam uma porção de outras aversões, mas os canalhas não merecem sequer aquele temor respeitoso que os monstros inspiram.

Não sou heroína de nada, nem revolucionária, sou do tamanho de um girino replicando pensamentos aleatórios em redes sociais enquanto chafurdo em livros. Não sou nem digna de um calaboca das “instâncias superiores”.

Mas sei que essa atividade subversiva – falar o que pensa, chafurdar em livros – costumava ser perigosa até a década em que eu nasci. Perigosa até para girinos iguais a mim.

Sou rebenta da democracia em um país que até então era dominado pela lei da mordaça.
Tive sorte de vir ao mundo quando se abriu uma fresta de liberdade, e sei que no mundo contemporâneo, sob os auspícios da internet, talvez essa mordaça não tenha mais capacidade de calar tantas bocas. São bocas falantes demais.

Então, os canalhas insatisfeitos miram em uma boca incômoda e apertam o gatilho, matam e esperam que o recado sirva para acovardar outros que ousem transpor seus discursos de internet para o território das ruas, dos palanques, dos espaços de poder, das trincheiras onde se batalha o cotidiano de nossas cidades.

Esses canalhas, eles não precisam do nosso medo. Precisam é ser engolidos por milhões de bocas.

h1

Annihilation, Aeon Flux & a perplexidade

março, 13 - 2018

De tempos em tempos eu re-assisto à animação Aeon Flux, de Peter Chung, lançada no começo dos anos 1990 pela Liquid Television.

Pra mim é uma obra de referência, não apenas porque deixou a criança que eu era nos 1990 boquiaberta, mas porque ainda deixa a adulta dos tardios 2010 mistificada. É uma obra única, não apenas em termos de desenho animado, não apenas em termos de science fiction — é original em estética, direção, ângulos de “câmera”, roteiro, textos formidáveis de narrador/voz over, e principalmente: o resultado complexo, viajado, abismalmente estranho e intrigante.

Gosto de Aeon Flux porque evoca em mim perplexidade — um dos meus sentimentos favoritos em termos de fruição estética. São tão poucas obras que conseguem produzi-lo a contento que eu me sinto obrigada a colecioná-las.

Por um raio da coincidência, é bem neste momento que o Netflix solta Annihilation, a adaptação cinematográfica do livro do Jeff Vandermeer feita por Alex Garland.
Eu havia gostado demais da leitura de “Aniquilação”, que li na tradução do Braulio Tavares. Também gostei muito do filme, que conseguiu fazer uma boa transposição imagética das pirações estranhas que constam no romance literário.

Diria que Annihilation é o filme de alienígenas que eu sempre quis ver. Porque o elemento estranho chegado à Terra, vindo de não se sabe onde, é um ser que não pode ser definido, nem sequer compreendido. Confrontá-lo é uma experiência aterradora, não porque ele seja uma criatura feia e caçadora como o Alien ou o Predador, mas justamente porque é — dentro de sua esquisitice — de uma beleza enigmática, absolutamente diferente, e não é possível saber suas intenções e motivações, não é possível antecipar suas ações, não é possível saber nem se ela pensa ou deseja. Diferente de Contato (Carl Sagan) e A Chegada (Ted Chiang), não há comunicação possível entre humanos e alienígenas, porque não parece existir uma psique que sirva de terreno comum entre as espécies. A trama se desenvolve no encontro/ no atrito/ no choque de dois universos mutuamente estranháveis e incomunicáveis.

Annihilation – livro e filme — é uma obra que explora o terror-perplexidade de que tanto gosto, que acho tão raro de encontrar e tão quintessencial na ficção.
E estou dizendo isto principalmente porque desenvolver uma obra bem-sucedida no gênero weird/estranho não é fácil. Não deixa de ser um sonho meu.

Por falar nisso, estou precisando rever Stalker