Posts Tagged ‘gay’

h1

Veja o que rolou no bate papo da Fantástica Literatura Queer

novembro, 16 - 2011

O evento d’A Fantástica Literatura Queer foi um sucesso! A Cabine Literária preparou um resumão do que rolou no bate papo “E se Harry Potter fosse gay? O tratamento da diversidade sexual na literatura fantástica“.

Participaram da mesa Eric Novello, Alliah, eu 😎 , Rober Pinheiro, Cesar Sinicio Marques, Renato A. Azevedo e Camila Fernandes.

Assista!

Sim, sim! Abrimos nova chamada para submissões para o próximo volume d’A Fantástica Literatura Queer! Mais informações aqui, em breve!

Anúncios
h1

A Diversidade Sexual na Literatura Fantástica

novembro, 8 - 2011

Está chegando! Na próxima sexta-feira, 11/11/11, teremos a sessão de autógrafos da coletânea A Fantástica Literatura Queer na Livraria Cultura, e também um bate-papo com os autores, o tema: E se Harry Potter fosse gay? O tratamento da diversidade sexual na literatura fantástica.

O evento terá a cobertura da equipe da Revista Fantástica, que está fazendo um ótimo trabalho com a divulgação. Queria reproduzir aqui um texto da Carol Chiovatto, colunista da Revista Fantástica (e também publicitária, escritora e pessoa multitalentosa), com uma interessante reflexão sobre o tema que pretendemos abordar no evento:

A Diversidade Sexual na Literatura Fantástica

por Carol Chiovatto

A arte imita a vida ou a vida imita a arte?

Enquanto a mídia discute a temática da diversidade sexual à medida que os governos do mundo todo começam a adotar políticas que finalmente param de fechar os olhos a algo que já é realidade a muitos anos, observamos que a literatura começou a incluir personagens gays em suas histórias.

E, como não poderia deixar de ser, gostaria de focar na literatura fantástica, que, por natureza, é a que atinge os jovens e consegue chamar a atenção deles para os mais diversos assuntos, mesmo que de forma sutil. Li ultimamente livros de grande sucesso internacional (entre os best-sellers do The New York Times) que traziam personagens gays no núcleo protagonista.

A série Morada da Noite (House of Night, no original), de PC Cast e Kristin Cast, traz Damien como um dos melhores amigos da personagem principal, assim como a série Os Imortais, de Alison Nöel, traz Miles, também gay, no círculo das principais amizades da protagonista.

As duas séries tem muito em comum, já que surgiram na onda dos romances sobrenaturais, e Miles e Damien se parecem muito: são legais, adoráveis, e um tanto estereotipados.

No entanto, as histórias não são sobre eles. Os rapazes, nos livros em que aparecem, são apenas coadjuvantes, de cuja vida nem ficamos sabendo muito. Na verdade, salvo poucas palavras, e o papel que desempenham na vida da protagonista, poderiam sumir da história ou serem trocados por uma amiguinha, e não faria a menor diferença.

Isso é bom ou ruim?

Se a proposta é mostrar que os gays estão sendo incluídos, é péssimo, porque não os inclui. Por outro lado, podemos considerar que a inserção de um personagem homossexual acabou ficando tão natural que nem é preciso grande alarde para o fato. E, nesse caso, é um pouco hipócrita, porque a sociedade ainda teima em segregar essas pessoas como se fossem realmente diferentes de todo o resto – os normais, os héteros.

Um amigo meu uma vez escreveu em algum canto, talvez no Twitter, que não é que os gays queiram dominar o mundo. Eles simplesmente querem ter o direito de ler um livro ou ver um filme em que o foco da história seja um casal gay. E isso não precisa ser ofensivo para quem é hétero, porque há décadas e décadas todos leem e assistem o que está passando. Sempre a mocinha e o mocinho apaixonados passando por uma espécie de conflito e vivendo felizes para sempre depois.

JK Rowling revelou, fora do ambiente de Harry Potter, que o mago e mentor de Harry, Dumbledore, era gay e apaixonado por seu maior inimigo e antes melhor amigo, Grindenwald. Alguns falaram que a autora não quis revelar essa informação antes porque seria muito estranho os dois andarem juntos sendo que o velho diretor era gay. Pessoalmente, acho que nada foi mencionado no livro porque a informação não cabia no contexto da história.

É de extremo mau gosto a enxurrada de comentários sobre Dumbledore ser um pedófilo que se seguiu ao anúncio de Rowling. Isso só prova o quanto a sociedade continua preconceituosa, e os parcos progressos legislativos são hipócritas quando os comparamos às notícias de agressões.

A literatura sempre teve o papel de conversar conosco. Então, porque não permiti-la mostrar o que uma boa corrente da sociedade está tentando dizer a tempos? O óbvio: que os gays são simplesmente gays. Nada mais além disso. Que não há nada de errado, imoral ou qualquer outra coisa que as pessoas queiram pregar contra. Que a opção sexual de um indivíduo faz parte de sua identidade, e não há nada para ser ‘aceito’ ou ‘mal visto’.

Essa foi a premissa da coletânea A Fantástica Literatura Queer, publicada em dois volumes pela Tarja Editorial, pioneira no tema em solo brasileiro – mas também uma das primeiras a decidir tratar o tema da diversidade sexual dentro da literatura fantástica.

Li apenas o volume vermelho, por enquanto, e, de minha parte, posso dizer que li contos dos mais brilhantes em que já coloquei os olhos.

Nesta sexta-feira, dia 11 de novembro, às 19h, acontecerá um debate com lançamento do livro na Livraria Cultura do Shopping Bourbon, em São Paulo. O tema: “E Se Harry Potter fosse gay? A diversidade sexual na literatura fantástica”, com parte dos autores de A Fantástica Literatura Queer.

Interessante que, ante o anúncio do tema na página de Facebook da editora, houve alguns compartilhamentos criticando o tema, perguntando se já não bastava que Dumbledore fosse gay, que Harry não era, porque ele é apaixonado “pela Gina”, entre outros comentários. Visivelmente, não entenderam a proposta.

A FANTÁSTICA fará a cobertura do evento via Twitter e uma matéria com o resumo da ópera. Quem estiver fora de São Paulo na data, ou não puder ir no horário, é só acessar o Twitter e procurar as hashtags #FLQueer e #seharrypotterfossegay, que estaremos online.

Vamos agitar os tt’s do Twitter Brasil, Fantásticos?

E o que você acha da discussão da diversidade sexual pela literatura fantástica?”

* * *

Recado dado. Obrigada, Carol, pelo excelente texto.

E vejo vocês lá! 😉

Lembrando que é dia 11/11/11 (sexta-feira), a partir das 19h, no auditório da Livraria Cultura do Bourbon Shopping Pompeia.

Rua Turiassú, 2100 – Perdizes – São Paulo-SP.

Entrada Franca.

h1

E se Harry Potter Fosse Gay?

outubro, 20 - 2011

O Tratamento da Diversidade Sexual na Literatura Fantástica

Este será o tema do bate-papo que os autores e organizadores d’A Fantástica Literatura Queer faremos na Livraria Cultura. Gostou? Ficou curioso? Pois venha!

O evento contará com esse super bate-papo descontraído e, como não podia faltar, uma noite de autógrafos com presença de vários autores da coletânea A Fantástica Literatura Queer.

Quando? Na data cabalística de 11/11/11 (sexta-feira), a partir das 19h.

Onde? No auditório da Livraria Cultura do Bourbon Shopping Pompeia. Rua Turiassú, 2100 – Perdizes – São Paulo-SP.

Quanto custa? É grátis!

Participarão da mesa os escritores Rober Pinheiro, Eric Novello, Alliah, Renato A. Azevedo, Camila Fernandes, Cesar Sinicio Marques… e eu! 8) . Alguns autores mais participarão da noite de autógrafos. Além disso, teremos presença da equipe da Revista Fantástica, que estará gravando, twittando e transmitindo o evento ao vivo. Quem não for, fique conectado! As tags #FLQueer e #SeHarryPotterFosseGay irão dominar os TTs do Twitter!

Você encontra informações sobre o evento no site da Livraria Cultura, clicando aqui e aqui. E dê uma passadinha na nossa página no Facebook!

Vejo vocês lá, queers!

Organização: Tarja Editorial – Muito além dos gêneros. Literalmente.

h1

As consequencias do casamento gay

maio, 31 - 2010

Como vocês vêem, é um assunto muito espinhoso, complicado, exige aconselhamento espiritual e um planejamento de longo prazo. Não importa o que já demonstrou a Holanda, a Dinamarca, a Noruega, a Alemanha, (contra os exemplos de Sodoma e Gomorra, nenhum país é páreo). Como as dúvidas são muito grandes, melhor fazer plebiscito (como propõe D. Marina Silva, já sabendo o resultado) ou deixar para a próxima geração de deputados e senadores resolverem (ou não).

Agora, definitivamente, com a desorganização que existe dentro da militância GLBT brasileira, ninguém vai conseguir pleitear nada. Nem nesse governo, nem no próximo.

E aí, Dilma?